Arquivo de Autor

Uma análise a Desert Ashes

Das cinzas às cinzas Como disse o criador de Braid, e bem, quase toda a gente julga os jogos pela sua aparência, mesmo na comunidade indie (“Regardless of what people want to believe, *almost everyone* judges games by how they look. Including indie developers judging indie games”). É uma frase que 1) soa melhor em […]

Continuar a ler

O Caso Estranho de Baio-pai e Baio-filho

Spelunky é um dos jogos mais difíceis da década passada. Não sei, nunca joguei, mas já várias pessoas me deram o seu testemunho, e parece ser esse o consenso na internet; poucas pessoas no mundo conseguiram acabá-lo sequer. Mas um miúdo de oito anos chegou ao nível mais difícil do jogo: para lá chegar o […]

Continuar a ler

Let’s Plays e Multi-watching

Houve uma game jam há poucas semanas atrás no site da GameJolt, chamada “Indies vs PewDiePie”, que teve 776 participantes; cerca de meio mês antes, houve outra game jam no mesmo site, chamado “Asylum Jam” que teve 49 participantes.   A Ludum Dare fez duas jams há pouquíssimos dias, uma que teve 1365 participantes e […]

Continuar a ler

Hatred e “Ah São Pixéis”

O argumento sempre foi “ah são pixéis”; do que é que estou a falar? A série GTA, por exemplo, que sempre teve controvérsia à sua volta, e gente frustrada não só pela sua existência, mas sobretudo pela sua extrema popularidade, quer por questões morais, ideológicas, culturais – gente de todos os tipos, desde Vice City, […]

Continuar a ler

Análise a Dungeon Defenders Eternity Antevisão a Dungeon Defenders II

“Too Long, Didn’t Read” – ou TLDR – ou como cá se diz, “despacha-te homem” – era suposto Dungeon Defenders: Eternity ser a versão definitiva de Dungeon Defenders, de acordo com a Trendy Entertainment, o estúdio por detrás do mesmo. Se é para acreditar que os exageros que costumam estar escritos na secção de descrição […]

Continuar a ler

Antevisão a WARMACHINE: Tactics

XCOM: Enemy Unknown não reinventou a roda, mas fê-la voltar à moda: a roda é fixe outra vez, e os miúdos novos estão todos a usá-la. Há três anos este género não existia no mercado, ninguém se lembrava sequer dele – tentaram transformar Syndicate e XCOM em First-Person Shooters (ninguém gostou da ideia), correu muito […]

Continuar a ler

Antevisão a Massive Chalice

XCOM: Enemy Unknown não reinventou a roda, mas fê-la voltar à moda: a roda é fixe outra vez, e os miúdos novos estão todos a usá-la. Há três anos este género não existia no mercado, ninguém se lembrava sequer dele – tentaram transformar Syndicate e XCOM em First-Person Shooters (chegou a haver gente a pensar […]

Continuar a ler

Um Jogo de Ténis contra Neverending Nightmares [parte 3]

4 – 2. E voltamos ao ataque. O protagonista foi desenhado num estilo à la Edward Gorey (imaginem Tim Burton, mas menos “fofo”); como já referi, o jogo todo é a preto e branco. Todo, exceto objetos com os quais se pode interagir, e sangue. Há muito branco, muito preto, muito vermelho, mas pouco do […]

Continuar a ler

Um Jogo de Ténis contra Neverending Nightmares [parte 2]

Vamos regressar e mudar (só um pouco) de tema, não joguei também Retro/Grade, mas pelos vistos quase ninguém jogou, logo não será de estranhar. “Pelos vistos” (de novo) jogo é bom, e “pelos vistos” (mais um) foi um flop. Retro/Grade é o bebé de Matt Gilgenbach, criador de Neverending Nightmares, bebé esse que morreu assim […]

Continuar a ler

Um Jogo de Ténis contra Neverending Nightmares [parte 1]

Novembro já lá vai, e o que agora caía mesmo bem no estômago era um post mortem de jogos de terror, não acham? Infelizmente tenho más notícias, meninos – com a crise, este ano só vai haver sopa e Neverending Nightmares da minha parte; e se calhar nem vai dar para irmos ao Algarve ver a […]

Continuar a ler

Steam Broadcasting

Estava a trabalhar no meu PC, inocentemente, quando fui apanhado de surpresa por algo que não consegui ainda esquecer, algo que me perturbou o raciocínio, algo por um lado previsível mas por outro incrível. Esta é a versão da história que vos quero contar. Infelizmente o que aconteceu foi que sim, estava a trabalhar, e […]

Continuar a ler

Antevisão a Onikira – Demon Killer

Onikira – Demon Killer está em Early Access no Steam. É um sidescroller de hack & slash (que prefere rotular-se a si próprio de beat-em-up) à la Shank. Passando-se pela página do jogo na internet, fica-se a saber também que o setting é o Japão feudal, com uma história que promete dragões e demónios, e […]

Continuar a ler

Análise a Elliot Quest

Saído do Kickstarter, Elliot Quest autodescreve-se como “jogo de adventura” e “RPG”. Deixem-me dar-vos uma descrição mais concreta: Super Meat Boy é para a série Super Mario o que Elliot Quest é para a série Zelda. Outra: imaginem antes Darksouls, versão light, sidescroller, para a SNES. Super Mario, que é um membro do panteão dos-jogos-lendários-e-ancestrais, e do […]

Continuar a ler

Análise a Never Alone: Um Museu

Never Alone é um museu. Não esperem, deixem-me começar por outro comentário estranho, que precisa de contexto para fazer sentido: Never Alone é o anti-Limbo. A cor principal de Limbo é o preto. A cor principal de Never Alone é o branco. [rimshot] Estou a brincar, mas há mais: Limbo segue uma criança a viajar sozinha por cenários estéreis, […]

Continuar a ler

Análise a Randal’s Monday

A Segunda-Feira de Schrödinger Randal’s Monday é para a geek culture o que Trainspotting é para a drug culture. É bem-humorado, mas feio – punk, absurdista, a roçar ao niilismo. Envenenei oito pombos (parte de um puzzle) e apareceu-me isto no ecrã: “Important notice – these pigeons are not asleep, they’re DEAD! But, who cares […]

Continuar a ler

Ideal para se beber café

Análise a Heroes & Legends: Conquerors of Kolhar “Este jogo é para quem?”. Para mim é uma pergunta-chave neste tipo de análises. E neste caso a resposta é: não sei; porque Heroes & Legends: Conquerors of Kolhar é daqueles jogos contraditórios. Heroes & Legends custa neste momento 9.99€ no Steam, é um jogo indie, há que […]

Continuar a ler

Gamergate e Jedis

Boa noite, porque estou a escrever de noite. Vamos falar “do” Gamergate. Ou “da”? Não queremos ser sexistas, não é? Já é um bocado tarde para continuar-se a falar disso, certo? – o assunto está mais ou menos morto – mesmo assim, continuemos; porque é importante; porque na verdade nem está (é uma espécie de […]

Continuar a ler

A Cor Da Maçã Da Árvore Do Não-Sei-Quê

Aqui estão dois links para dois vídeos que achei interessantes: Vejam os dois vídeos e regressem a esta página, ou se gostam como eu de multi-tasking, convido-vos a ler enquanto ouvem. Não sou um fã dos vídeos da Idea Channel, e também não gosto dos vídeos da Extra Credits, mas tenho um enorme respeito por […]

Continuar a ler

As Máquinas de Sonhos

A primeira parte de Dreamfall: Chapters começa uma mulher em coma Dreamfall é uma série de videojogos que começou já em 1999, e cujo mais recente título foi lançado agora, com a ajuda do Kickstarter. Entrar no universo de Ragnar Tørnquist, o seu “autor”, se existe tal coisa, é muito semelhante à sensação de ver […]

Continuar a ler